Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Pobr€za das Naçõ€s

A Pobr€za das Naçõ€s

Dilema dos Prisioneiros: A Grécia e as Instituições

O encontro do Eurogrupo decorreu hoje sendo que, ao que parece, o consenso entre os gregos e os parceiros continua a não existir e este é um enorme problema para a Zona Euro. Em minha opinião, as instituições credoras parecem não querer cooperar com os gregos, sendo que estes últimos se encontram a tentar honrar o programa de governo com o qual foram eleitos, não estando a sucumbir levianamente às exigências dos credores. Para melhor entendimento desta perspectiva, parece-me importante expor algumas das medidas apresentadas pelos gregos no passado dia 15, medidas estas que foram declinadas rapidamente.

 

- Uma taxa especial de 12% sobre os lucros das empresas acima de um milhão de euros;

- Aumento da taxa de IRC de 26% para 29%;

- Aumento da contribuição de solidariedade;

- Cortes de 200 milhões na despesa do setor da Defesa;

- Taxa sobre publicidade televisiva;

- Taxa sobre os lucros do jogo online; 

- Receita extra vinda de multas sobre veículos; 

- Reforma do IVA: taxa mínima passa de 6,5% para 6% com mudanças nas taxas aplicáveis a vários produtos. A 6% ficariam livros, medicamentos e teatro; a 15% os jornais, produtos alimentares básicos, energia, água e hotéis e restaurantes; a 23% outros produtos alimentares (marisco, comida pré-cozinhada, etc);

- Limite às pré-aposentações;

- Receita de combate ao contrabando de combustível;

- Auditorias a contas bancárias;

- Combate à fraude no IVA Licenças televisivas.

 

Este conjunto de medidas, assim como as estimativas da sua receita, constam do documento que foi divulgado pelo jornal Kathimerini. Creio que estas medidas são plausíveis e não havia necessidade, por parte dos credores, da sua rejeição, evidenciando, uma vez mais, que não estão dispostos a cooperar e que as medidas a aplicar terão que ser a seu desejo, prolongando assim a incerteza no seio da Zona Euro. Gostaria de destacar, como pontos positivos, a taxa especial de 12% sobre lucros supranormais e a aplicação de uma taxa aos lucros dos jogos online. De referir, também, que os produtos alimentares básicos ficariam sujeitos a 15% de IVA visto ter sido uma exigência dos credores.

Sendo Yanis Varoufakis economista especialista em Teoria dos Jogos, permitam-me afirmar que o jogo que está a ser disputado, entre os gregos e os credores, é do tipo Dilema dos Prisioneiros, jogo este que se caracteriza por o Equilíbro de Nash (equilíbrio do jogo) não ser o Óptimo de Pareto (sendo este o equilíbrio mais benéfico para ambos os jogadores). Neste caso, os gregos (que ao longo dos últimos meses fizeram algumas cedências) mas sobretudo os credores têm optado por não cooperar, porém, a cooperação de ambos traria mais benefícios para os gregos, para os credores e para o resto da Zona Euro que começa a demonstrar sinais de temor a um Grexit.